Carrinho

Breve História do Disco de Vinil

Todos nós podemos concordar que o universo do vinil é apaixonante. Afinal, é mágico ver nossos bolachões produzindo nossos sons favoritos, não é mesmo? Pensando nisso, neste 20 de abril em que se comemora o dia do disco de vinil, resolvemos trazer para você um pouco da história deste item que tanto amamos.

 

 

Essa história começa lá em 1887, pelo gramofone e disco de 78 rotações, criado pelo alemão Emil Berliner. Ele foi o primeiro leitor de discos planos feito de goma-laca, que tocavam de maneira analógica e manual. Estes discos, porém, geralmente possuíam apenas uma faixa, e, quebravam com muita facilidade.

Foi a partir disso que o mercado viu uma oportunidade e, surgiu então a necessidade de aperfeiçoamento desta ferramenta. Foi então que Peter Carl Goldmark criou em 1930 o nosso querido disco de vinil como conhecemos hoje: mais leve, com melhor qualidade sonora, e mais faixas, já que a mudança passou a permitir mais linhas (33 rpm).

 

 

 

 

 

 

 

Mas por aqui, o vinil só começou a ser comercializado cerca de 20 anos depois, em 1951, com o primeiro LP nacional que recebeu o nome de carnaval e contava com uma seleção de sambas e marchinhas. Não dá para ser mais brasileiro que isso, né? O vinil viveu seu auge até meados de 97, quando acabou perdendo espaço mercadológico para o CD. Afinal, apesar das evoluções nos toca-discos, o CD era portátil, e possuía uma qualidade de musical incomparável.

 

Hoje em dia, com a constante evolução e aprimoramento musical, o CD perdeu espaço para os streamings. Sem dúvida alguma, a música não deixa de fazer parte de nossas vidas, mas, não podemos deixar de admitir que se você chegou até aqui é porque você, assim como nós, é um saudosista e, perpetua com muito amor a cultura do disco de vinil.

 

 

 

 

Sabemos sobre a importância que o vinil trouxe para muitos artistas, além de seu registro cultural, valorização do objeto nos aspectos de capa, encarte, e sua possibilidade em proporcionar momentos únicos e resgatar lembranças. Além disso, colecionar é um ato sustentável, já que estamos reciclando ao continuar ouvindo em nossos toca-discos os nossos artistas preferidos, bandastemas de novelasfilmes e tudo que está gravado nesses nossos bolachões amados.

 

 

                                                                                                 Vinil é Cultura, feliz dia! 

Deixe um comentário

Loading...
Social Share Buttons and Icons powered by Ultimatelysocial
Pinterest
Instagram